Domingo do jeito que eu gosto

E tem coisa melhor que passar o domingo encorujada na cama, de pijaminha, assistindo ótimos filmes ao lado do pimpolho?

Saraband, como todos os filmes do Bergman, simplesmente maravilhoso. Passei o filme com um nó na garganta e por pouco não abri o bocão. Lindo em todos os aspectos. E imaginar que Bergman dirigiu este filme nos seus 87 anos de vida (em 2005), e ao que parece, continua dirigindo filmes para a tv e peças para teatro... Diretores como ele não deviam deixar de fazer filmes nunca, e tampouco deveriam deixar de existir!

E o segundo filme do dia foi 2046 . Já havia assistido In the mood for love do mesmo diretor. 2046 me pareceu uma continuação do In the mood for love, porém muito mais elaborado fotograficamente falando. Se bem que eu gostei mais do In the mood for love, pois a história me pareceu mais cativante, ou talvez por eu tê-lo assistido por primeiro, tenha me marcado mais, sei lá. De qualquer maneira, ótimo. E com relação a este filme, devo confessar que só não fui assisti-lo no cinema por puro preconceito. Primeiro, por que ao ver o trailer, achei que se tratasse de um filme de ficção científica e só assisto estes tipos de filmes depois de me fazer convencer que são muito bons. Segundo, por que ao ver que o diretor era de Hong Kong, achei que o filme teria elementos à la Jackie Chan (sabem, aqueles filmes com artes marcias e efeitos especiais bem bobinhos?). Quão errada eu poderia estar! O pimpolho até que insistiu, mas eu armei o maior bico e disse que não iria. Ele acabou indo sozinho e voltou encantado. Isto foi uma pista para eu me deixar convencer de que valeria a pena. Daí, o danado compra o In the mood for love em DVD sem me dizer que era do mesmo diretor de 2046. Assisti e amei, então nada mais natural que deixar o preconceito de lado e encarar 2046! Que sorte a minha!

E por falar em preconceito, explico o que acontece. Acho que por não gostar de filmes comerciais, tenha criado esta barreira dentro de mim na qual fico com um pé atrás antes de assistir a um filme de algum diretor desconhecido, pois a pior coisa que existe é ir ao cinema e se deparar com filmes tipo End of Days . Isto já aconteceu conosco! Realmente, não tenho paciência para encarar barulho, efeitos especiais, e um roteiro sem pé nem cabeça, ou me dá sono ou fico profundamente irritada. Mas, gosto é gosto. Muita gente pode achar os filmes do Bergman super e ultra lentos, sem sentindo, sem pé nem cabeça, mas eu amo filmes assim!

Beijocas

2 comentários:

Denise Arcoverde disse...

Puxa, Ede, eu AMEEEEEEEEEEEEEEIIIIIIIIII esses dois filmes! divinos, sublimes!!!! parabéns poelo bom gosto!!!

:-))))))))))

Você tá certa, eu fico até com vergonha de não ver fime comercial, parece coisa dd gente metida a besta, mas a vida é curta, o tempo é pouco, pra se disperdiçar com filme ruim ;-)

Beijocas

Edelize disse...

Oi Denise, concordo plenamente. Esta vidinha é muita curta mesmo e temos que concentrar nossas energias nas coisas que nos trazem prazer, felicidade, conhecimento... Não é coisa de gente metida a besta, simplesmente uma questão de gosto. Beijocas.

Blog Widget by LinkWithin

Stats

Clicky Web Analytics

Foi assim...